call us (+351) 961 713 832 | Write us
  • If you be so Kind

A PINCH OF THIS – PORTUGUESE CUISINE

EN

A PINCH OF THIS – PORTUGUESE CUISINE INFLUENCES AROUND THE WORLD  – PART I

If there is something that we Portuguese, and in particular some of us here at Tours & Tales, consider ourselves to be experts, it is in the kitchen. A pinch of this, another pinch of that, everything well seasoning and starts moving. A melting pot of aromas, a spoonful of spices and dozens if not hundreds of trips to the present and the past… and it’s on this past that T&T will once again entangle itself with you, on the heritage that Portuguese Cuisine had lefted to the world.

Well folks the Portuguese cuisine as we well know did in fact left discrete traces everywhere it went and modesty aside, lets be fare enough it will have been much more influential than many of us might believe. Who doesn’t already know about the origins of a delicate batter that we all seem to enjoy in Japanese cuisine, the tempura?

From the ancient kingdom of Siam, through Africa, to the New World – to the Americas – the legacy is immense and frankly it seems right to us to highlight this long and vast intangible heritage. However today the choice is for those who consider themselves truly gluttonous or simply simply curious about the Portuguese legacy in other lands.On this very brief journey we will simply disembark in a distinctly exotic territory. Today here, in the caravels of time, we will solemnly sail to lands of distant patriarchies… In a brief dromomaniac gesture,we will go from Thailand to Japan visiting some of its various sweets, wagashis for the Japanese…

Everyone already knows that talking about pão de ló is the same as talking about sponge cake, right? Well with more or less yolks this cake so popular in Portuguese culture, for some it had its origins in conventual treats, for others it will simply had its origin diluted somewhere among the cultural assimilation of a Renaissance and globalized Europe so close to this coastal country. What is certain is that the famous sponge cake traveled in Portuguese caravels at the time of the Discoveries because it is a cake with a long shelf life. Through choppy tides it will have effectively crossed distant oceans having reached as far as the once unimaginable Japan, more specifically Nagasaki….

Castella or Kasutera

Matcha Kasutera and Traditional Kasutera

The arrival of the Portuguese in the 16th century to the “country of the rising sun” contributed to left and assimilating many varied influences. The sponge cake curiously known as cake from Castella (カステラ) or Kasutera was simply one of the delicacies to be noted.

The list continues in Japan with Keiran Sonem or simply the traditional eggy threads that are so familiar in Portugal. Thanks to the introduction of refined sugar by the Portuguese “fleet”, Kompeitō, a word that derives from confeito,is iconically a Japanese sweet symbol of good luck and commonly used as an offering for prayers in shrines, temples and other special occasions. Kompeitō, in this case bomboniēru (ボンボニエール) has been offered by the Japanese imperial family as a welcome gift to their visits for at least 130 years. Due to the ingenious manual preparation process that requires between 7 to 10 days of execution we can consider that the manufacture of kompeitō is very similar to that traditionally used in the so-called Moncorvo or Noivas almonds.

But the legacy of Portuguese sweets throughout Asia does not end here. If in Japan we have briefly mentioned some of the most curious delicacies that date back to the beginning of the globalization era it is certain that somewhere in another exotic and distant kingdom – Siam – the Portuguese had left a trail of sugar that was never eradicated and are still today so popularly appreciated. Apparently upon the arrival of some of portuguese ancestors, in the Kingdom of Aiutaia, they “had realized the existence of very many chickens and therefore eggs were not lacking” to those people from that unknown kingdom… From here we believe it is easy to imagine the rest and consider that Thong yip (ทองหยิบ ) are perfect and exclusive derivations of the famous Portuguese egg muggles or that Kanom Foy Tong are simply the previously egg threads or, for example, that Khanom mo kaeng ( ขนมหม้อแกง ) recipe seems so close to portuguese traditional tigelada.

But today Tours & Tales leaving just a brief taste – and what a taste,  this one very sugary, a real eggy one!!! In fact  it is well known that the Portuguese like to make sweets with lots of eggs!

Certainly among pots and spoons will be many anonymous people and, if on the one hand we intend to briefly rescue the legendary influence of Portuguese cuisine all over the world, on the other we have right the to here honoring somehow some of those who were the protagonists of the rich Portuguese flavors around the world.

“Cooking with love provides food to the soul.”

However here is a brief suggestion from Tours & Tales: enjoy each piece of sweetness in any Portuguese Treat as if it were a journey back in time, a unique and singular moment. After all each sweet and each recipe is a piece of history where we are allowed to taste tradition, heritage, experience, artifacts. In each recipe of a Portuguese Delicacie there is certainly committal and love.And by the way thanks for that they made us Portuguese a very sweet tooth people, lol!

“Cooking with love provides food to the soul.”

PT

UMA PITADINHA DISTO –  A INFLUENCIA DA COZINHA PORTUGUESA  NO MUNDO – PARTE I

Se há coisa em que nós portugueses e, em particular alguns de nós aqui na Tours & Tales, se consideram eximíos, é na cozinha. Uma pitadinha disto, outra pitadinha daquilo, tudo bem regadinho e toca a mexer. Um sarrabulho de aromas, uma colherada de especiarias e dezenas, senão centenas de viagens ao presente e ao passado…e é nesse passado presente que mais uma vez a T&T se irá enredar convosco, no património que a cozinha portuguesa terá legado ao Mundo.

Pois bem caros leitores, a cozinha portuguesa como bem sabemos, na sua franca discrição deixou vestígios por todo o lado onde passou, e modéstias à parte, justiça seja feita, ela terá sido bem mais influente do que muitos de nós possam crer. Quem já não sabe sobre as origens de um polme delicado que todos parecemos apreciar na cozinha japonesa, a tempura?

Do antigo reino do Sião, passando por Africa, até ao Novo Mundo – às Américas –  esse legado é imenso e francamente parece-nos justo salientar um pouco esse longo e vasto património imaterial. Porém, hoje a escolha é para aqueles que se consideram verdadeiramente gulosos ou simplestemente meros curiosos do legado português por outras terras. Nesta brevíssima viajem desembarcaremos tão simplesmente num território distintamente exótico. Hoje aqui, nas caravelas do tempo, velejaremos solenemente até terras de distantes patriarcados…Num breve registo dromomaníaco, iremos da Tailândia ao Japão, percorrendo algumas das suas doçarias várias, wagashis para os nipónicos…

Já toda a gente sabe que falar de sponge cake é o mesmo que falar de pão de ló, certo? Pois bem, com mais ou menos gemas, este bolo tão popular na cultura portuguesa, para uns terá as suas origens na doçaria conventual para outros simplesmente a sua origem diluiu-se algures por entre a assimilação cultural de uma Europa renascentista e globalizada tão próxima deste nosso país litoral. O certo é que afamado pão de ló terá viajado nas caravelas portuguesas aquando os descobrimentos e isto por ser um bolo de longa conserva. Por entre marés encrespadas, terá efectivamente atravessado oceanos distantes tendo chegado tão longe quanto o outrora inimaginável Japão, mais concretamente a Nagasaki….

A chegada dos portugueses no século XVI ao “país do sol nascente” terá contribuido para legar e assimilar as mais variadas influências. O pão de ló, curiosamente designado “por portas e travessas” bolo de Castella (カステラ) ou Kasutera terá sido simplesmente uma das iguarias a registar.

A lista prossegue nesse país nipónico com o Keiran Sonem ou, tão simplesmente, os tradicionais fios de ovos que todos nós bem conhecemos. Graças à introdução do açucar refinado por parte da “frota” portuguesa, Kompeitō, palavra que derivará de Confeito, é icónicamente um rebuçado nipónico, símbolo de boa sorte e comumente usado como oferenda para orações em santuários, templos e em outras ocasiões especiais. Kompeitō, neste caso bomboniēru (ボンボニエール) é  oferecido pela família imperial japonesa como presente de boas-vindas às suas visitas desde há pelo menos 130 anos. Devido ao engenhoso processo de confecção manual que requer entre 7 a 10 dias de execução, poderemos considerar que o fabrico do kompeitō é muito semelhante ao tradicionalmente usado nas chamadas amêndoas de Moncorvo ou das Noivas.

Mas o legado da doçaria portuguesa pela Asia não termina aqui. Se pelo Japão já encunciamos brevemente algumas das iguarias mais curiosas que remontam ao incio da era da globalização, o certo é que algures num outro reino exótico e distante – o Sião – os portugueses terão deixado um rasto de açucar que jamais se erradicou e ainda hoje é tão popularmente apreciado. Ao que consta, aquando a chegada de alguns dos nossos antepassados ao Reino de Aiutaia, estes “terão dado conta da exitência de muitíssimas galinhas e portanto ovos não faltavam” aquelas gentes desse outro reino desconhecido… A partir daqui cremos ser fácil imaginar o resto e considerar que Thong yip (ทองหยิบ ) sejam derivações perfeitas e exclusivas das afamadas trouxas de ovos portuguesas ou que Kanom Foy Tong  sejam os tão simplesmente os fios de ovos  já mencionados ou, por exemplo, que Khanom mo kaeng ( ขนมหม้อแกง ) se nos revele como uma receita tão próxima à receita da nossa tradicional tigelada.

thai eggs threads

Fios de ovos – uma iguaria portuguesa tão célebre quanto exclusiva um pouco por toda a Ásia. Conhecidos no Japão por Keiran Somen (鶏卵素麺, “hen’s egg noodle”),  no Camboja por Vawee, na  Malaysia por  Jala mas (“golden net”), na  Tailândia por Foi Thong (ฝอยทอง; “golden strands”), no norte de Malabar, Região de Kerala, India, por Muttamala (മുട്ടമാല; “egg strands”).

Mas por hoje a Tours & Tales fica apenas por este breve gostinho – e que gostinho, este por sua vez bem açucarado, uma verdadeirada gemada!!! De facto é sobejamente conhecido os portugueses gostam de confeccionar doces com muitos ovos!

Seguramente que por entre tachos e colheres estarão muitas gentes anónimas e, se por um lado pretendemos resgastar brevemente a influencia lendária da cozinha portuguesa um pouco por todo o mundo, por outro, haveremos aqui mesmo neste outro “cantinho à beira mar plantado” honrar de alguma forma alguns daqueles e daquelas que foram os protagonistas desta riquissíma epopeia sabores portugueses pelo mundo.

Entretanto aqui fica uma breve sugestão da Tours & Tales: apreciem cada pedaço de doçura de um qualquer doce português como se fosse uma viajem no tempo, um momento único e singular. Afinal cada doce, cada receita são um pedaço de história onde nos é permitido saborear a tradição, a herança, a experiência, o artefacto. Em cada receita de um doce português é seguramente de entrega e de amor que se trata. Bem hajam por isso, fizeram de nós portugueses um povo bastante guloso, lol!